tim

A imortalidade física é um castigo. A delícia da vida reside-lhe na fluidez. A vida é fugaz. Só a morte é eterna.

A imortalidade é a lembrança que vive na saudade dos que fenecem. Como disse Gibran, a única distância é o esquecimento.

Tim Maia tinha aquele conjunto inespecífico de personalidade a que chamamos de carisma. Ele era, a todo momento, o Tim Maia: sempre representava o seu próprio papel. Era controverso e arredio. Uma vez no palco, no entanto, dava o recado com talento.

No fundo, todo artista quer, como Cacilda Becker, morrer no palco. Longe de ser uma tragédia, tal fato ao artista seria uma glória, pois a doença que prostra tira a dignidade e o artista detesta não parecer belo. A morte no palco é uma apoteose quando a fama já se consolidou.

Tim Maia saiu dos primeiros acordes do show, onde só conseguiu cantar duas frases da primeira música, para a sua derradeira viagem, rumo à indesejada das gentes.

A plateia que o assistiu sair do palco sem maiores explicações e o esperou voltar, jamais imaginou que estava vendo ali os últimos passos do cantor.

A saída de Tim Maia do palco, aquela noite, era um show à parte, que só seria entendido no início da tarde de domingo, 15, quando uma septicemia lhe calou a voz.

Sempre que eu lembro de Tim Maia me vem à cabeça “Azul da cor do mar”. Para mim é a marca registrada do cantor. A música só fica boa na voz do Tim e ele a cantou como ninguém jamais conseguiu.

Como disse Somersat Maughan, a realidade seria insuportável se não fosse o sonho. O sonho para o Tim acabou, a morte o fez acordar.

Para nós o sonho continua. Que seja, então, um sonho todo azul, azul da cor do mar…

Comments (3)

On 17 de jan de 2011 14:35:00 , Anônimo disse...

Parsifal, és um poeta! Sabias disso? Um abraço.

 
On 17 de jan de 2011 18:27:00 , Parsifal Pontes disse...

Obrigado.

 
On 8 de out de 2012 21:48:00 , Anônimo disse...

Pode ser pra você. De qualquer forma já somos imortais em espírito que mal há em sermos fisicamente?Há coisas piores acontecendo no mundo da ciência, Como a fabricação de armas de guerra agrotóxicos, Transgênicos etc. Todo mundo gostaria de ter a juventude eterna. Não vejo nenhuma beleza ou poesia em envelhecer se tornar doente e outras coisas que a velhice traz.